Reiki em Pacientes com Alzheimer

Entendendo o Mal de Alzheimer

O Mal de Alzheimer chama-se assim por causa do médico alemão Alois Alzheimer, que reconheceu e localizou a doença cem anos atrás (1906).

Os números assustam. Em todo mundo existem entre 17 e 25 milhões de portadores de Alzheimer, o que representa 70% do conjunto que afetam a população geriátrica.
 
Alzheimer é uma doença do cérebro, degenerativa, isto é, que produz atrofia progressiva, com início mais frequente após os 65 anos, que produz a perda das habilidades de pensar, raciocinar, memorizar, que afeta as áreas da linguagem e produz alterações no comportamento. Ainda não se descobriu a cura e também não há um exame específico para detectar o problema. Essa doença prejudica a relação de sociabilização da pessoa, tanto da sociedade com a pessoa e vice-versa, pois o Alzheimer leva ao esquecimento de familiares, hábitos, lugares, entre outros. Com o avanço da doença a pessoa torna-se dependente como um bebê. Além dos cuidados médicos, o doente também precisa de muito carinho e atenção da família. Não há prevenção para o Mal de Alzheimer, porém especialistas recomendam exercícios contínuos para o cérebro como leitura, palavras cruzada, etc. 
 
Fique atento a todos os sintomas da doença, pois se for detectada no início, medicamentos poderão minimizar alguns dos sintomas da doença e assim oferecer ao paciente uma melhor qualidade de vida.
 
O mal de Alzheimer possui três fases: a fase inicial, a intermediária (que se divide em leve e grave) e a terminal.
 
Fase inicial: há somente alguns esquecimentos que não atrapalham a convivência. O doente ainda é independente. Existem dois tipos de esquecimento: o esquecimento de uma pessoa normal e de um portador de Alzheimer. Por exemplo: uma pessoa normal lembra-se que esqueceu um lápis na mesa, já a pessoa de Alzheimer não lembra-se que deixou o lápis em cima da mesa.
 
Fase intermediária leve: o doente começa a depender de outra pessoa. Nessa fase ainda há momentos de lucidez. Trata-se de uma criança de mais ou menos de 8 anos, pois outra pessoa precisa lembrar de algumas rotinas, como tomar banho, por exemplo.
 
Fase intermediária grave: exige um cuidado intenso, porém o doente pode ajudar em suas atividades. Nessa fase, há uma dificuldade maior de socialização e a perda de memória é mais intensa.
 
Fase terminal: o doente está completamente dependente de outra pessoa. Nesse momento ele já está de cama, tem dificuldade em comunicar-se, alimentar-se, higienizar-se, entre outras. Muitos dos portadores não chegam a essa fase, pois morrem antes, devido a outras doenças, como diabetes, hipertensão, câncer, entre outras.
O mal de Alzheimer é uma doença hereditária. Se existe um caso da doença, pode ser que outra pessoa venha a ter o Alzheimer, isso não significa que outros familiares terão a doença.
 

Fonte:  Renato Romani – Biologando – Clínico Geral especialista em Medicina do Esporte – CRM 99.950

 
 
Estudo: Reiki em pacientes de Alzheimer
 
Os efeitos do Reiki em doentes de Alzheimer têm sido explorados. Um estudo empírico foi realizado, que teve como objetivo investigar a eficácia do Reiki em melhorar deficiências de memória e comportamento em pacientes com comprometimento cognitivo leve ou doença de Alzheimer leve. Este estudo quase-experimental demonstra que os tratamentos de Reiki mostram a promessa de melhorar certos comportamentos e problemas de memória em pacientes com comprometimento cognitivo leve ou doença de Alzheimer leve.
 
 
Fonte:  Comunidade Médica Abraça Reiki
 
 
 
Reiki oferece alívio aos pacientes de Alzheimer
 
 
Reiki é um método natural, suave, poderoso, mas um método não-invasivo de cura que é passado de praticante para o cliente por meio de toque suave. Esta arte de cura milenar japonesa origino-se a muitos milhares de anos atrás e foi trazido a este país no início de 1900 por um homem santo e científico estudioso Mikao Usui. Desde aquela época, o Reiki tem crescido rapidamente em popularidade como uma excelente forma de medicina complementar e alternativa.
 
Os resultados de uma pesquisa recente IARP (Associação Internacional de Profissionais de Reiki) de hospitais americanos indicaram que muitos grandes hospitais já estão usando Reiki para os seus benefícios terapêuticos pré e pós-operatório, e para pacientes que sofrem de estresse e outros distúrbios como ansiedade , insônia, dor, náusea e fadiga. Reiki foi encontrado para ser extremamente benéfico em todos os aspectos de cura, não só a nível físico, mas também em níveis psicológicos, emocionais e espirituais. Utilizando energia vital, o componente de que todos somos feitos, ele aumenta o poder natural do corpo para curar e manter-se. Não só pode ser utilizado para promover a cicatrização de qualquer doença, como também tem sido utilizada para reparar o tecido ósseo e com a ajuda e os efeitos secundários da anestesia, o tratamento com radiação e quimioterapia. Também foi encontrada para reduzir a necessidade de medicação e tempo de permanência hospitalar, porquê esta energia diversificada é como uma forma eficaz, uma ferramenta integrativa ao médico, e que está sendo usado em muitos grandes hospitais, clínicas e outros serviços de saúde em todo o mundo com grande sucesso.
 
Muitas enfermeiras, médicos e profissionais de fora começaram a fornecer serviços de Reiki para melhorar o atendimento ao paciente. Pacientes que estão emocionalmente estressados ​​ou doentes terminais e suas famílias têm relatado uma sensação profunda de relaxamento e paz interior quando seu cuidado foi facilitada com este tratamento versátil. Além disso, o Reiki tem sido extremamente benéfico para acalmar pacientes com demência, de Parkinson e doença de Alzheimer.
 
Teresa Silva Johnson é uma gerontologista certificada (o estudo do fenômeno do envelhecimento), que era o proprietária-operador e administradora de uma casa de seis camas, com 24 horas Home Care, especializada no cuidado de (demência) pacientes de Alzheimer. Johnson observa que os sintomas iniciais começam sutilmente. Um indivíduo pode apresentar sinais de mudança de personalidade, perda de memória, o julgamento, alterações de humor, ou agitação. Diminui a iniciativa e a capacidade de aprender coisas novas se torna difícil. Conforme a doença progride, as vítimas passam a desenvolver dificuldades de fala e comunicação, movimento e coordenação. Na confusão e os últimos estágios total e resultado de desorientação em que o paciente vive, ele passa a ter que depender completamente de um cuidador para a função diária. O cérebro continua a se degenerar e, finalmente, resulta em caminhar com grande dificuldade, falar, engolir, controle da bexiga e função intestinal, etc. Como resultado, as vítimas podem tornar-se bastante frágil e propenso a infecções, como a pneumonia. Estas condições de curso, são extremamente angustiante não apenas para os que sofrem, mas para os cuidadores também.
 
Johnson começou a empregar tratamentos de Reiki  com duração de cerca de 10 a 20 minutos. Ela iria administrá-los conforme a necessidade, por exemplo, na hora das refeições para facilitar a alimentação e cooperação com os cuidadores. Ela encontrou pacientes que tornaram-se complacente e relaxados. Como ela experimentou com esses tratamentos, ela observou que, embora a doença continuou a progredir, os pacientes já não tinham que sofrer o tradicional grau de sintomas de ansiedade, agitação, dor e desconforto físico. Pacing e vagando, foram drasticamente reduzidos. Paranóia começou a diminuir. A simples colocação das mãos permitiu que os pacientes ficassem completamente relaxados, mais presente e lúcidos. Ferimentos foram curados em metade do tempo com tratamentos diários de 5 a 10 minutos de Reiki. Johnson descobriu que mesmo os pacientes que normalmente resistiram, tiveram uma melhora em  diferentes tipos de toque (banho, vestir-se, etc), e até pediam pelo tratamento de Reiki. O Reiki também pode ser dado como um tratamento de longa distância para pessoas com necessidades especiais.
 
Animado com os resultados bem sucedidos Johnson foi a obtenção, ela decidiu espalhar a notícia da técnica Reiki através do desenvolvimento de um programa de pesquisa de Alzheimer Reiki. Ela atualmente está praticando Reiki em tempo integral para desenvolver um plano de terapia Reiki concisa para ser usado por cuidadores de Alzheimer. O objectivo deste plano é beneficiar pacientes de Alzheimer e aqueles que cuidam deles, reduzindo ou eliminando os sintomas deletérios para estender a integridade dos aflitos. Desta forma, uma maior qualidade de vida é criado para pacientes e cuidadores. Com o uso da terapia de Reiki, Johnson já teve um grande sucesso na reversão e ou deter a doença de Alzheimer em um número seleto de pacientes. Para pacientes de Alzheimer, sua pesquisa se dedica a promover o tipo de cuidado que irá aumentar a vida independente e incluir o retorno de cognição, mobilidade e socialização. Johnson também descobriu que o ilimitado de tratamento com Reiki também pode ser útil para os indivíduos que podem sofrer de sintomas semelhantes, tais como aqueles que são desafiados por transtorno obsessivo-compulsivo, depressão ou doenças mentais.
 
Fonte: http://asecondopinionmag.com/archives/1289
 
 
 
Reiki – Uma ajuda para pacientes de Alzheimer

Reiki, a arte japonesa de bater em força universal da vida ou energia Chi, foi encontrado eficaz no tratamento e melhorar a capacidade do corpo para curar. Pacientes com doenças degenerativas do cérebro, incluindo Alzheimer, têm mostrado melhorias promissoras. Ainda não há cura conhecida para a doença de Alzheimer, mas o Reiki pode ser uma ferramenta útil para melhorar a qualidade de vida e reduzir o estresse para pacientes, cuidadores, familiares e instalações.

Cuidadores como Kim, um especialista em atividades em uma grande instalação de enfermagem no Missouri, que oferece atendimento especializado para pacientes com Alzheimer, vê e experimenta a dificuldade em obter a cooperação com os pacientes da doença de Alzheimer a cada dia. Nos estágios iniciais os sintomas dos pacientes são sutis, como perda de memória, alterações de personalidade, o julgamento pobre, ou agitação. A progressão da doença provoca maior dificuldade na capacidade de falar, comunicar, mover e coordenar. O pedágio emocional e estresse é grande para o paciente e ele mostra em seu comportamento. Kim e outros cuidadores, notam que a agitação, ritmo e ansiedade, muitas vezes aumenta em direção ao início da noite, a parte do dia que eles estariam voltando do trabalho, fazendo o jantar, ou participando em outras transições normais diárias. Os pacientes que exibem esses comportamentos são descritos como tendo um “sol-downer” tempo. Isso cria estresse e dificuldade para o paciente e seus cuidadores que precisam de sua cooperação para facilitar seu atendimento, tratamento e alimentação. Isso se agrava mais em necessidade de cuidadores mais qualificados, aumento dos níveis de estresse para todos . Organismos sob estresse, muitas vezes exigem doses mais elevadas de medicamentos do que os corpos não sob estresse.
 
 

Fonte: http://asecondopinionmag.com/archives/3356

 


O que achou deste artigo? Deixe a sua opinião aqui.